Assembleia de professores mantém greve na UFBA

0

Nova assembleia realizada na sexta-feira (31), com a participação de 131 docentes, decidiu pela continuidade da greve na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Segundo o Comando de Greve, a deliberação, que também definiu a ampliação do movimento, ocorreu na Reitoria por unanimidade.

Segundo a organização do movimento, informes foram apresentados com o cenário nacional das greves dos servidores públicos, a situação dos cortes orçamentários e e das verbas de custeio destinadas às universidades federais. À Reitoria, o comando afirmou que solicitou a suspensão do semestre acadêmico de 2015.1 e o fechamento do sistema para lançamento de notas e realização de matrículas. A UFBA ainda não se pronunciou oficialmente sobre os pedidos.

poli
Além disso, na avaliação da greve, os professores que participaram do ato discutiram se apresentam uma contraproposta na mesa de negociação com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão(MPOG). Sobre o assunto, o grupo informou que a maioria aprovou a indicação, ao comando nacional, que não seja apresentada nenhuma contraproposta na mesa de negociação.

A paralisação afeta cerca de 35 mil alunos e foi deflagrada no fim do mês de maio. A mobilização é organizada pelo Sindicato dos Professores das Instituições Federais do Ensino Superior da Bahia (Apub).

De acordo com o sindicato, o governo manteve a proposta anterior de reposição salarial de 21,3% em quatro anos, acrescida do aumento dos valores do auxílio de alimentação, do auxílio-saúde e do auxilio-creche. Os docentes, no entanto, recusaram.

O impacto total da elevação dos auxílios para o conjunto de todos os servidores públicos federais do executivo chega, de acordo com o governo, a R$ 1,25 bilhões. Nova assembleia dos professores está marcada para a próxima sexta-feira (31), em local e horários ainda a serem definidos, conforme a assessoria da Apub.

Impasse
A proposta de reajuste parcelado foi apresentada pelo governo no dia 25 de junho. A proposta prevê aumento de 21,3% dividido em quatro parcelas. A primeira delas, de 5,5%, para 1° de janeiro de 2016; a segunda, de 5%, para 1° de janeiro de 2017; a terceira, de 4, 75%, para 1° de janeiro de 2018 e a quarta, de 4,5%, para 1° de janeiro de 2019.
Os docentes, no entanto, consideraram a proposta do governo “muito abaixo da expectativa” e disseram que ela não é capaz de recuperar as perdas inflacionárias. Os professores também querem o fim dos cortes nos orçamentos das universidades.

Desde janeiro desse ano, a Ufba enfrenta contingenciamento mensal no orçamento que chega a 40%, além de contar com um déficit de R$ 28 milhões relacionado a débitos de 2014. Uma nova assembleia foi marcada para o dia 9 de julho.
Em nota no último mês, a reitoria da UFBA informou que reconhece a legitimidade do movimento de docentes e trabalhadores técnico-administrativos, que também estão com as atividades paralisadas, e que se mantém aberta ao diálogo com as categorias e com o Ministério da Educação (MEC).

Estudantes da instituição também decretaram greve. De acordo com a coordenadora-geral do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Ufba, a estudante de direito Lorena Pacheco, a mobilização dos alunos é em apoio aos professores e devido ao impacto causado pelo ajuste fiscal implementado pelo governo federal.

A Universidade Federal da Bahia conta com 35 mil alunos distribuídos em 100 cursos de graduação. A última paralisação dos professores da instituição foi em 2012. Além da UFBA, outras universidades do Brasil aderiram ao movimento e estão com as atividades paralisadas.

link-zap
Loading...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here