Casal que vendia empadas para pagar estudos passa no concurso da PM e trabalha junto

0

Persistência, sacrifício e parceria são as palavras usadas pelo casal Agapito, de 29 anos, e Ângela Martins, de 26, para definir a conquista da mudança de vida. Juntos, eles alcançaram o sonho de iniciar carreira militar, e as muitas noites de estudos em cursinhos preparatórios e na universidade foram bancadas com a venda de empadinhas.

A notícia continua após esta Publicidade

Os dois soldados trabalham juntos no 2º Batalhão da Polícia Militar (BPM) do Amapá há cerca de um mês, repetindo a cumplicidade que existe entre eles desde o ensino médio.

Agapito e Ângela contam que se conheceram e se apaixonaram no período em que se preparavam para o vestibular. Foi então que perceberam os interesses em comum e decidiram unir forças para alcançar seus objetivos. O casal está junto há 12 anos.

“Queríamos fazer o mesmo curso [licenciatura em letras/espanhol] e entramos juntos no vestibular. Acabamos ficando na mesma turma e nosso laço só se fortaleceu durante o período acadêmico”, contou Ângela.

No decorrer do curso eles se casaram e viram a necessidade de serem independentes. Foi então que surgiu a ideia de vender, inicialmente doces, dentro da universidade para poderem ter uma renda.

“A gente tinha que se sustentar de alguma forma, então procuramos uma maneira que também não atrapalhasse nossos estudos. Eu preparava os doces, enquanto Agapito, que sempre foi mais sociável, os vendia nas dependências da universidade”, explicou a soldada.

Ao fim do curso, eles decidiram ser funcionários públicos concursados do serviço militar. Influenciados por familiares militares, os dois iniciaram o processo de preparação para conquistar as vagas, mas isso envolveu anos de frustração, noites sem dormir e a venda de muitas empadas.

“Foram quase dois anos de muito sacrifício. Nossa união foi fundamental para passarmos juntos no concurso. Se um desistisse, provavelmente nenhum dos dois seria policial hoje”, disse Agapito.
Durante o período em que estudavam para o concurso público, a rotina do casal era cheia e ambos tinham que estar em sintonia para poder conciliar trabalho e estudos. Ângela produzia as empadas pela manhã e no período da tarde Agapito vendia os salgados na orla, Centro e órgãos públicos de Macapá. Enquanto isso, Ângela estudava em um cursinho. À noite, em casa, o casal revisava junto os conteúdos.

“Não tínhamos tempo e nem dinheiro para que ambos estudassem no cursinho, então decidimos adequar nossa rotina para que os dois pudessem ter chances se passar no concurso e se sustentar”, explicou Ângela.

Após duas tentativas frustradas, incluindo para o concurso da PM no Pará, o casal foi classificado para o curso de preparação há cerca de sete meses. Agapito e Ângela se dizem realizados, mas ainda galgam outras conquistas dentro da corporação.

“O sentimento é de realização. Antes tínhamos uma cesta cheia de empadas e incertezas, hoje estamos caminhando juntos, como sempre, iniciando a carreira que cobiçamos. Agora é focar em crescer dentro da PM”, finalizou o casal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here