Chapada: casos de esquistossomose deixa turismo da região em alerta

0

O setor de turismo de Lençóis, na Chapada Diamantina, está em alerta para evitar que os casos de esquistossomose em turistas que visitaram o Poção afetem o fluxo de visitantes na região.

Segundo a secretária municipal de turismo, Lilian Andrade, alguns turistas ligaram para a cidade para saber dos riscos por causa da doença. “É preocupante essa viralização das notícias. Eu acho que a essa altura não vai afetar o turismo. Hoje a gente tem muito mais fofoca do que comprovação do protozoário. Essa comprovação só pode existir quando sair o laudo da Secretaria de Saúde”, afirma a secretária.

Ainda de acordo com ela, o secretário estadual de Turismo (Setur), José Alves, já entrou em contato com a Secretaria da Saúde (Sesab) sobre o assunto. “É um assunto de saúde pública, que já está sob os cuidados da Secretaria da Saúde do estado, que enviou prepostos para coleta de amostras”, completou Lilian.

O presidente da Associação de Condutores de Visitantes de Lençóis, Nelson Oliveira, afirma que não há motivo para pânico entre visitantes. “As pessoas não precisam se preocupar, e a Chapada é muito grande. E só soubemos de casos nesse lugar. Os turistas podem vir tranquilamente, porque a Chapada tem 38 mil quilômetros quadrados. As providências estão sendo tomadas pelos órgãos públicos municipal e estadual”, afirmou. Ainda de acordo com ele, o Poção não está na rota turística comum das agências de viagens da região.

Para Paulo Gaudenzi, presidente da Salvador Destionation, o turismo não deve ser afetado pela situação, já que não há uma epidemia de casos na cidade. “Afeta quando é epidemia, o que não é o caso”, disse.

Investigação

A investigação sobre a doença começou após a denúncia de uma agência de turismo mineira, que alertou para os casos de turistas contaminados pelo shistosoma quatro meses depois de terem conhecido o Poção, durante o Carnaval. Segundo a secretária de turismo de Lençóis, Lilian Andrade, é possível que a contaminação do Poção esteja relacionado ao Rio Santo Antônio, que atravessa alguns municípios da Chapada Diamantina e tem população ribeirinha que não tem saneamento básico.

“Esse e-mail da agência que veio com 32 ciclistas, foi o estopim para esse passo. Ele serviu como a própria denúncia para o governo do estado, que faz o controle de zoonoses. Nós, imediatamente, enviamos o e-mail que funcionou como uma denúncia e a Vigilância Sanitária veio fazer a coleta ontem”, explicou.

Para alguns era a primeira vez que iam na Chapada Diamantina, como o biomédico mineiro Alexandre Magno Nogueira, 33 anos. Ele também visitou o Poção e tem uma das mais graves manifestações da esquistossomose no grupo de amigos, e agora precisa ser acompanhado por um fisioterapeuta e um neurologista, já que o parasita se instalou na medula. Os primeiros sintomas começaram a parecer no grupo após 30 dias do passeio.

Em entrevista ao CORREIO, o biomédico contou que sentiu fortes dores nas costas e nas pernas, que evoluiu para a dificuldade de andar. No início, ele acreditava que a locomoção estava prejudicada por causa das dores, e só depois percebeu que estava realmente perdendo os movimentos.

No caso dele, o parasita se instalou na medula e atingiu o sistema neurológico. “Fiquei me arrastando para andar, com dificuldade e aí o quadro piorou um pouco. Eu fiquei um dia sem urinar, e sem ir no banheiro, e eu me preocupei mais”, contou. Alexandre foi submetido a exames de imagem, quando foi diagnosticado com mielite transversa esquistossomótica. Ele teve que parar de trabalhar e está fazendo tratamento com fisioterapia e um neurologista. Alexandre ficou internado por cinco dias, tomando altas doses de corticóides.

A esquistossomose é geralmente contraída após o contato de fezes humanas infectadas com caramujo que vivem em água doce, que se tornam o hospedeiro do verme. Os ovos do verme se desenvolvem dentro do caramujo e, na água, sobrevivem por 48 horas. Os vermes penetram na pele das pessoas que têm contato com a água e depois se desenvolvem dentro dos vasos sanguíneos.

Água límpida

No local, os turistas não perceberam nada de diferente, já que a água era limpa. “É um local que estava recém-aberto, a gente tava indo pra Cachoeira do Mosquito, quando falaram desse Poção. As pessoas que iam pra cachoeira e resolveram ir para lá. É um lugar bonito, não tinha como perceber nada de diferente, porque a gente não vai pensando que algo assim pode acontecer”, afirmou Marcelo Braga.

“Não percebi nada de diferente na água, que era muito límpida. Um lugar muito bonito, não ia pensar que estava infectado”, disse o biomédico Alexandre Magno. De Salvador, a professora universitária Érica Aragão, 43, também foi com a família passar o Carnaval na Chapada Diamantina e também visitou o Poção. O diagnóstico da doença veio quase dois meses depois e foi descoberto por acaso. Nas consultas, os médicos acreditavam que a família estava com um rotavírus.

“Começa como uma gripe, coceira no corpo, dois meses depois mais tosse, febre, calafrios. A gente descobriu por acaso minha filha foi internada por outro motivo e aí foi fazer investigação por esquistossomose e veio o diagnóstico”, contou Érica. Só então a família foi submetida ao tratamento específico da doença.

Complexo turístico

O Poção fica dentro do Complexo Turístico Fazenda Santo Antônio e o acesso só deve ser liberado após o resultado da análise das amostras, caso os resultados sejam negativos. Ainda de acordo com Lilian, a Cachoeira do Mosquito, que fica no mesmo complexo e é um conhecido ponto turístico da Chapada, provavelmente não tem contaminação, visto que tem água corrente e a nascente do rio que a abastece fica próxima à queda d’água, diferente das águas do Poção.

Em nota, a prefeitura de Lençóis informou também que está tomando providências para conscientizar a população sobre a doença. “A Prefeitura de Lençóis já está tomando providências para realizar uma campanha de prevenção junto à população, incluindo as escolas do município e agentes de turismo local”, diz a nota.

De acordo com a Sesab, no ano passado foram notificados, no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), 532 casos de esquistossomose na Bahia, o que corresponde a uma redução de, aproximadamente, 25% em relação ao mesmo período de 2015, quando foram notificados 703 casos. A Sesab informou que não tem dados sobre casos da doença este ano na Bahia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here