‘Errada fui eu por ter vendido capas para uma adolescente’, diz merendeira que matou vizinha em Jardim Cajazeiras

0

Embora tenha dito que a motivação do assassinato da adolescente Ingrid Lima dos Santos, 15 anos, não tenha sido dívida de R$ 15, a merendeira Aline Alves Santos de Souza, 23, se declarou, durante apresentação na tarde desta segunda-feira (29), no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na Pituba, “errada por ter vendido capas (de celular) para uma adolescente”.

Durante coletiva à imprensa, Aline disse que a motivação do crime teria sido uma briga entre ela e a cuidadora Cristina Batista, 39, mãe da adolescente morta, com quem ela possuía desavenças e já tinha conversado sobre a dívida de três capas de celular contraída por Ingrid.
RTEmagicC_63354fb339.jpg
“Jamais eu ia ficar enraivada por conta de R$ 15. Eu tenho o meu trabalho, minha vida, meu salário. Acabei de voltar de férias agora, mas eu tinha conversado com a mãe da adolescente que se ela quisesse me pagar, ela poderia me pagar. Mas, se ela não quisesse, também poderia deixar para lá, porque errada fui eu por ter vendido as capas para uma adolescente”, disse Aline.

Em depoimento à delegada Jamila Cidade, titular da 2ª Delegacia de Homicídios (DH), Aline disse que Ingrid teria comprado as capas de celular no mês de janeiro, e que só questionou a adolescente sobre o valor devido no mês seguinte. Ainda em depoimento, Aline informou que Cristina teria apontado uma faca após ser questionada do motivo pelo qual falava mal dela para vizinhos.

“Ela disse que só cobrou o dinheiro no mês de fevereiro, e que em momento algum teve intenção de matar a Ingrid. Aline alegou que jogou um copo de bebida da em ao saber que ela estava falando mal dela para vizinhos e foi tirar satisfação. Ela também diz que a faca era de Cristina, e que ela conseguiu tomar aplicando golpes de capoeira. Quando ela apontou a faca para Cristina, Ingrid entrou no meio e foi atingida”, disse a delegada.

Ainda segundo a delegada, no entanto, testemunhas ouvidas durante a investigação refutam a versão apresentada pela merendeira de que ela teria conseguido desarmar a mãe da vítima. “Até o momento, as testemunhas ouvidas dizem o oposto da versão apresentada por Aline, dizem que quem estava com a faca era ela no momento em que foi tirar satisfação com Cristina”, explicou Jamila Cidade.

O crime aconteceu no dia 20 de fevereiro, em Jardim Cajazeiras. Após golpear Ingrid, Aline conseguiu fugir para um hotel no Largo do Tanque, onde passou a noite. Ao saber da morte da adolescente, a merendeira fugiu para um sítio em Simões Filho, onde ficou escondida. Ela se entregou na manhã desta segunda-feira à polícia e foi encaminhada para o Complexo Penitenciário da Matas Escura, onde cumprirá prisão preventiva.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here