Fabricas de Calçados demitem mais de 14 mil funcionários em 2 anos

1

A situação econômica da Argentina aumentou a preocupação do setor calçadista brasileiro, que tem no país vizinho o segundo maior mercado externo, atrás apenas dos Estados Unidos. Além da desvalorização do peso, que torna os produtos do Brasil mais caros por lá, e da inflação elevada, que reduz o poder aquisitivo dos argentinos, o temor é de que novas barreiras sejam impostas. O setor calcula que as cargas retidas pelo governo argentino alcançam 730 mil pares de calçados no momento, o que significa um prejuízo imediato de US$ 14 milhões.

Vai fazer concurso em 2014? – Clique aqui e pegue seu material de estudo…

Na terça-feira, 28, o presidente da Abicalçados, Heitor Klein, se reuniu, em Buenos Aires, com a subsecretária de Comércio Exterior da Argentina, Paula Español, para debater a situação. “Eles foram irredutíveis. Não conseguimos que se comprometessem em tentar agilizar o processo de liberação”, afirmou Klein.

fabrica

As condições macroeconômicas do país vizinho, no entanto, passaram ao largo da conversa. “Dá para perceber claramente que eles ainda estão tomando pé da situação. É uma equipe que recém chegou”, disse. A Abicalçados teme um recrudescimento mais intenso das barreiras impostas a produtos do Brasil. “A Argentina preocupa muito. Eles concentram 10% das nossas exportações.”

Em 2013, os embarques de calçados cresceram 0,2%, para US$ 1,095 bilhão, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). A Argentina aparece em segundo lugar na lista de compradores, com US$ 118,88 milhões (-12,6% em relação a 2012). “O quadro está bastante difícil, talvez tenhamos de amargar por algum período. Pode haver recrudescimento. Precisamos conhecer qual é a disposição da Argentina”, avalia Klein.

Emprego

O setor calçadista também está preocupado com a realidade do próprio setor no Brasil. Nos últimos dois anos, foram fechados quase 14 mil postos formais e trabalho, mesmo com a política de desoneração da folha de pagamento.

A permanência do real mais valorizado na última década e o crescimento da produção de calçados a base de plástico (cujo processo é mais mecanizado) determinaram o corte de vagas. Em 2013, a indústria de calçados demitiu 4.408 trabalhadores, segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Para o mês de fevereiro é esperado um numero expressivo de demissões no setor inclusive em Itaberaba.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here