Tentativa de golpe na Turquia deixa 194 mortos, diz Exército

0

Militares da Turquia anunciaram nesta sexta-feira (15) que assumiram o poder no país “em prol da ordem democrática”. Lugares estratégicos, como pontes de Istambul e o principal aeroporto do país, foram fechados. O presidente Recep Tayyip Erdogan disse que se tratava de uma tentativa de revolta de uma minoria dentro das forças militares e pediu que o povo fosse às ruas. Em cidades como Ancara e Istambul havia multidões em lugares públicos, como mostraram imagens da imprensa e de transmissões pela internet.

Após algumas horas,  Erdogan, que estava no balneário de Marmaris, voou para Istambul, aterrissando no Aeroporto Ataturk, que foi deixado pelos militares, e foi recebido por simpatizantes. Ele afirmou que não iria entregar o país e que seu gabinete continua funcionando em Ancara. Acrescentou que “milhões” de turcos estão nas ruas protestando contra a tentativa de golpe e que ficará “com o povo”.

aptopix_turkey_military_coup_burhan_ozbilici_ap

Erdogan diz que muitos oficiais estão sendo presos e que as prisões continuarão, inclusive atingindo militares de altas patentes. Agência de notícias informaram que pelo menos 5 generais e 29 coronéis rebeldes foram presos. Erdogan diz que irá terminar de limpar as forças militares.

O governo alega que integrantes de um movimento que é leal ao clérigo opositor Fethullah Gulen, que mora nos EUA, organizaram a tentativa de golpe. Mas o grupo de Gulen disse condenar qualquer intervenção militar na política doméstica da Turquia.

Houve relatos de violência, inclusive da morte de 17 policiais, além de uma explosão no Parlamento. Por volta das 23h00 (hora de Brasília) já fim da madrugada na Turquia, ainda não estava claro quem detinha o controle da situação.

Erdogan disse ainda que aqueles que estão tentando um levante irão pagar preço alto na corte e que está voltando para a capital Ancara.

Caso a tentativa de derrubada de Erdogan, que governa a Turquia desde 2003, tenha sucesso, seria uma das maiores mudanças de poder no Oriente Médio nos últimos anos.

Segundo a imprensa internacional, o Exército está dividido, e há áreas dele que não apoiam a tentativa de golpe. O comandante das forças especiais da Turquia disse que “um grupo se envolveu em traição, eles não serão bem sucedidos, estamos a serviço do povo”. Ele disse ainda que as forças armadas não concordam com essas ações.

O comunicado dos militares golpistas afirma que os direitos humanos vão permanecer. O comunicado diz ainda que todas as relações exteriores existentes vão continuar e que o respeito às leis deve ser prioridade.

Testemunhas disseram à Reuters que tanques abriram fogo contra o prédio do Parlamento turco e que helicópteros abriram fogo na agência nacional de inteligência. Um tiroteio foi ouvido também no aeroporto de Istambul e um helicóptero militar abriu fogo sobre Ancara.

A agência estatal Anadolu informou que 17 policiais foram mortos no quartel-general das forças especiais em Ancara. A CNN disse ainda que reféns foram tomados em quartéis militares de Ancara. Segundo a agência estatal Anadolu, o chefe das Força Armadas está entre os reféns.

O primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildirim disse que a ação está sendo levada a cabo por um grupo de militares “fora da cadeia de comando”, mas que nada vai ameaçar a democracia turca. Yildirim afirmou ainda que forças de segurança estão fazendo o necessário para resolver a situação. Ele pediu calma. “O governo eleito pelo povo continua no comando. Esse governo só sairá quando o povo disser”, disse.

Um pouco mais tarde, ele afirmou que prédios importantes estavam sendo cercados.

Por volta das 21h (hora de Brasília) Yildirim chamou de “idiota” a tentativa de golpe, alegando que ela fracassou e que a situação “está amplamente sob controle. A população foi às ruas em várias cidades. Tiros foram ouvidos perto da Ponte do Bósforo, em Istambul

Invasão e pronunciamento na TV estatal
A emissora de televisão turca TRT foi tomada pelos militares golpistas. A rede foi tirada do ar após uma jornalista ler o pronunciamento do grupo, dizendo que uma nova constituição vai ser preparada o antes possível. O comunicado diz também que o estado de direito foi erodido pelo governo atual e que o país agora estaria sendo comandado por um “conselho de paz”, que vai assegurar a segurança da população.

Aeroporto fechado
Uma fonte de União Europeia disse que os militares tomaram o controle de aeroportos e outros pontos estratégicos em Istambul. Voos com destino a cidades da Turquia estão sendo desviados.
Todos os voos foram cancelados no Aeroporto Ataturk, o principal de Istambul e do país. O acesso ao Facebook, ao Twitter e ao Youtube está restrito, afirmam grupos de monitoramento da internet.

turkey-security-_stringer_reuters-2 (1)

Pontes fechadas

Aviões e helicópteros militares estão sobrevoando a capital, afirma a AFP. Testemunhas relataram à agência Reuters que houve um tiroteio na cidade. Segundo o jornal turco “Hurriyet”, a polícia de Ancara convocou todo o pessoal em serviço.

Em Istambul, forças de segurança fecharam parcialmente as pontes do estreito de Bósforo. As duas pontes foram fechadas pela divisão do exército turco encarregada da segurança interna. A NTV mostrou também imagens de tanques na entrada do aeroporto de Istambul.

Autoridades dos Estados Unidos, Reino Unido, França, Israel e Rússia alertaram seus cidadãos que estão na Turquia a não deixarem suas casas e hotéis.

A Casa Branca disse que Obama está informado da situação na Turquia e vai receber atualizações periódicas.

O Ministro das Relações Extreriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que o derramamento de sangue deve ser evitado na Turquia e que qualquer assunto deve ser resolvido dentro da estrutura da constituição.

O chefe da ONU, Ban Ki-moon, fez um apelo por calma na Turquia e afirmou que as Nações Unidas estão tentando esclarecer a situação.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here