Kelly Cyclone registrou queixa de ameaça antes do assassinato

1

As mais recentes notícias com relação ao assassinato de Kelly Cyclone, na noite deste domingo (17), dão conta de que a garota havia sido ameaçada de morte um mês antes. A denúncia foi feita pela própria Kelly na Delegacia de Lauro de Freitas, no dia 8 de junho. Segundo contou em depoimento, ela teria discutido com dois homens, conhecidos como John e Calango, dentro de uma Topic, quando ia ao dentista no centro de Lauro de Freitas. Após trocarem insultos, os dois teriam a ameaçado de morte.
A polícia informa que Kelly teria sido chamada de ‘alemã’ – gíria usada por traficantes para designar inimigo – pelos dois homens. Na ocorrência policial, consta que eles iriam “pegar a arma para dar um fim em sua vida”. A polícia investiga o envolvimento dos dois homens no crime, mas não descarta as versões de crime passional ou vingança. Segundo agentes da delegacia, as suspeitas não puderam ser confirmadas e por falta de provas do envolvimento do adolescente no assassinato, ele foi liberado.

Existem duas versões para a morte de Kelly Cyclone. Na primeira, contada pela família, o motivo é passional. A jovem teria sido assassinada por um rapaz de prenome Gustavo, que a ameaçou por ela ter recusado seu pedido de namoro. O rapaz é filho de um policial civil conhecido como Braga, que mora em Lauro de Freitas. Já moradores do centro do município apontam como algoz Wellington Nunes, o Mão, traficante da localidade de Casinhas, no final de linha. O crime estaria relacionado com a disputa do tráfico – Kelly foi ex-namorada do traficante Toni Rogério, o Tonny, que, mesmo preso na 23ª Delegacia, em Lauro, continua no controle das bocas da Rua 4, na comunidade de Vila Praiana.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here