Vazamento de suposto gabarito do ENEM provoca pânico em candidatos

2

Amedrontado por uns e odiado por outros, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi criado, inicialmente, para avaliar o desempenho dos alunos. Atualmente, ele é passaporte para o ensino superior, tornando-se uma da provas mais concorridas do país. Diante de tanta disputa e vazamento de gabaritos, as discussões sobre o assunto nas redes sociais são inevitáveis. Na tarde de ontem, um suposto gabarito da prova rosa, postado no twitter, causou alvoroço até o final da tarde, quando foi comprovada a falsidade do documento.

enemNa véspera de uma das provas mais concorridas do país, brincadeiras com os gabaritos são inevitáveis nas redes sociais. Na tarde de ontem, a mãe de um vestibulando procurou o site temendo um novo vazamento de gabarito como já havia ocorrido em anos anteriores. “Meu filho viu no twitter que divulgaram o gabarito da prova rosa do Enem. Fiquei com medo de ter sido verdade e pensei logo na anulação do exame”, disse Maria Clécia de Almeida, 46 anos.

No perfil do twitter, um jovem do Maranhão, que pretende cursar a faculdade de Direito, postou uma foto do suposto gabarito da prova, deixando os concorrentes preocupados. “Isso é sério?”, perguntou um dos seguidores. “Pode confiar”, respondeu o jovem. Após questionamentos, o jovem revelou que a postagem era apenas uma brincadeira. “Tu quer Direito? Caso sim, este é o gabarito rsrsrs”, afirmou, revelando a brincadeira.

Criado em 1998, o Enem já sofreu grandes alterações no modelo das provas, questões e finalidades acadêmicas. Em 2009, o governo federal mudou o caráter e o formato do exame, que passou a servir como uma espécie de “vestibular nacional”. O exame passou de 63 questões para um teste com 180 perguntas distribuídas em quatro cadernos de prova: Ciências Humanas, Ciências da Natureza, Linguagens e Matemática, além de uma redação. A partir daí, surgiram problemas com vazamento das provas. Na época, um grupo de funcionários furtou o caderno de dentro da gráfica responsável pela impressão das provas e tentou vendê-lo para veículos de comunicação, com um valor inicial de R$ 500 mil pelo material. A oferta foi denunciada ao Ministério da Educação (MEC), que decidiu pelo cancelamento da prova.

Polêmicas

Nas últimas edições, a prova foi marcada por polêmicas, como o furto do caderno dentro da gráfica e o vazamento de questões em uma escola do Ceará. Ano passado, textos com receita de macarrão instantâneo e hino de futebol receberam pontuação razoável, apontando supostas falhas na correção das redações.

Em 2010 houve vazamento dos dados dos candidatos, tema de redação e erro na impressão dos cadernos. “É tanta fraude que a gente já fica desconfiado quando aparece alguma situação parecida. O governo investe muito dinheiro com segurança das provas, mas a impressão é que nada funciona”, reclama Amanda Oliveira, 17 anos, uma dos 7 milhões de candidatos inscritos neste ano.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here