Centrais sindicais discutem greve geral contra reforma da Previdência

0

Reunidos na última terça-feira, 15, dirigentes das centrais sindicais discutiram estratégias de mobilização contra a reforma da Previdência, o grande pilar do governo de Jair Bolsonaro.

A notícia continua após esta Publicidade

Segundo a coluna Painel, da Folha, entre as propostas debatida está a de greve geral, que deve suscitar após o presidente encaminhar a proposta de reforma para o Congresso Nacional, na opinião do secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves.

O movimento da Força defende que antes de implementar a reforma previdenciária, o governo deveria explorar todas as possibilidades, como taxar grandes fortunas para aumentar a arrecadação e cobrar grandes devedores.

Para o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, as propostas sinalizadas pela equipe econômica de Guedes, como o aumento da idade mínima e a capitalização da Previdência, prejudicam o direito à aposentadoria de milhões de brasileiros.

Além da Força e da Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Nova Central e Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) também estiveram presentes na reunião, que aconteceu na sede do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em São Paulo.

Em 2017, durante a tramitação da reforma da Previdência do ex-presidente Michel Temer na Câmara, as centrais fizeram ao menos dois grandes atos. Um em abril, com a paralisação de transportes, bancos e outras categorias em diversas capitais do país, e o outro em maio, com a presença de 100 mil trabalhadores, segundo os organizadores, em Brasília.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here