Da roça ao consultório: conheça a história do agora ‘doutor’ Luciano

0

O agora médico Luciano Carlos, 25, seria apenas mais um a se formar, no último fim de semana, em medicina pela Uespi (Universidade Estadual do Piauí), não fosse o desafio de chegar ao diploma após conciliar os estudos com o trabalho na roça, desde criança, e a falta de dinheiro para se manter em curso na capital. Luciano nasceu e cresceu no pequeno povoado rural Caatinga Branca, em Valença do Piauí (a 216 km de Teresina). Aos sete anos, começou a trabalhar na roça. “Nessa idade eu não fazia nada que eu não podia fazer, meu pai não deixava. Era mais só para acompanhar.

A partir de dez, 12 anos já fazia quase tudo”, conta o médico. No roçado, ele plantava e cultivava hortaliças e legumes. “Não tínhamos outra opção”, diz, contando que seus pais e dois irmãos ainda vivem na roça. Um ano antes de ir à roça, Luciano começou a estudar, aos seis anos, na Unidade Escolar Ulisses Vale Veloso, na zona rural do município. Foi lá que concluiu o ensino fundamental. Já o ensino médio foi feito à noite em uma escola pública –a Maria Antonieta– na zona urbana. Em 2008, concluiu os estudos colegiais e iniciou a batalha pela sonhada vaga na faculdade de medicina. “Fiz provas de vestibulares, mas não fui aprovado”, lembra, mencionando que chegou a fazer um cursinho pré-vestibular por três meses oferecido pelo governo do Estado.

luciano-carlos-nasceu-e-cresceu-no-pequeno-povoado-rural-caatinga-branca-em-valenca-do-piaui-aos-sete-anos-comecou-a-trabalhar-na-roca-1470238247395_300x420

Em 2009, ele resolveu se dedicar aos estudos em casa. “Estudava com apostilas e livros. Apesar de ter focado no estudo individual, ainda participei, durante quatro meses, de um curso pré-vestibular, mas que só ocorreu no primeiro semestre –no segundo ele fechou, faliu. Em resumo: quase não tive proveito com curso preparatório”, conta. No final daquele ano, veio a aprovação, por cota, no curso de Medicina na Uespi.

Também foi aprovado em outro vestibular, para o curso de Administração, e em um concurso do Banco do Brasil. Ajuda no curso A aprovação foi apenas o primeiro desafio. Apesar de ingressar em uma faculdade gratuita, a falta de recursos para custear sempre foi suprida pela solidariedade — que o fez se manter na universidade. “Durante todo o curso tive sempre o apoio de amigos, familiares e colegas de turma. Meu sustento era tirado da ajuda da minha família, de uma entidade filantrópica e de estágios remunerados. Além disso, recebi doações de livros e apostilas durante o curso”, cita. Ele diz que durante todo o período vai carregar uma lembrança especial: “o carinho e respeito que sempre tive dos meus colegas”. “Outro fato que me deixará lembranças é eu ter sido líder de turma durante quase toda a graduação”, lembra.

A formatura oficial veio no dia 10 de maio. Os eventos de formatura, porém, só ocorreram na semana passada. Já com diploma há quatro meses, o ‘doutor’ Luciano hoje trabalha em uma Unidade Básica de Saúde de Teresina e dá plantões em hospitais da capital piauiense. Luciano ainda depende de transporte público para ir ao trabalho. “Tenho pretensão de comprar um carro”, diz. Após o ajuste financeiro de primeiros meses com salário, promete retribuir aos pais tudo que recebeu durante a vida. “Assim que as coisas começarem a se equilibrar — o que, com fé em Deus, acontecerá em breve — passarei ajudá-los diretamente”, conta, sem esconder a emoção ao falar dos pais. Futuro profissional A rotina corrida de trabalho deve ter uma pausa no próximo ano. Ele vai tentar ingressar residência em otorrinolaringologia, em primeira hipótese, e clínica médica com subespecialização em cardiologia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here