Mãe e filha de 3 meses são expulsas de restaurante durante temporal no Rio

0

A psicóloga Flavia Lopes Pinheiro, 32 anos, e sua filha de três meses foram expulsas de um restaurante no Jardim Botânico, durante a forte chuva que atingiu o Rio de Janeiro na segunda-feira (8).

A notícia continua após esta Publicidade


Flavia compartilhou o episódio pelas redes sociais e contou que apesar de estar “sem acreditar na falta de solidariedade de alguns”, diante a situação de risco, a situação acabou tendo um final cheio de sororidade. Foi graças a um grupo de mães no WhatsApp, o Sementeira, que ela e a filha conseguiram um abrigo.

As duas estavam no restaurante quando a forte chuva começou, mas de acordo com o relato feito ao UOL, os funcionários começaram a pressionar para fechar a conta, pois o restaurante iria fechar uma hora antes do horário regular de funcionamento.

Naquela noite, o bairro registrou 334,4 mm de chuva – a segunda região com maior índice na cidade, segundo dados do Alerta Rio, do Centro de Operação da Prefeitura do Rio de Janeiro. Até esta quinta-feira (11), dez pessoas morreram vítimas do temporal.

Leia mais
Grávida de 8 meses é morta a tiros e ‘ex’ é suspeito
No grupo de WhatsApp, ela contou o que estava acontecendo e a situação gerou uma corrente de ajuda. A blogueira Manoela César entrou em contato com a estilista Carol Hungria, que tem um ateliê próximo ao restaurante, e enviou uma assistente para resgatar as duas. Elas voltaram para a casa depois que o marido de Flávia conseguiu buscar mãe e filha, por volta das 3 horas.

View this post on Instagram

Puerpério é rede! E eu e Linda, graças à Deusa, temos a rede mais linda e eficaz!! Temos a sorte de pertencer ao grupo Sementeiras ao qual a Manu da @blogcolherdechanoivas faz parte e pode nos salvar do temporal que aconteceu anteontem quando quiseram nos deixar na rua. A campanha #ninguemsoltaamaedeninguem visa dar visibilidade a situações que mães, pais e familiares sofrem com bebês e crianças em estabelecimento comerciais e fomentar, de forma geral, solidariedade entre as pessoas. Espero que o que eu vivi, me sentir desamparada com a minha filha, nenhuma outra mãe precise sentir. #sementeiras #ninguemsoltaamaedeninguem #solidariedade#solidariedade EDITADO: Não quero que o aconteceu comigo e com a minha filha seja um prato cheio para quem quer vomitar suas sombras e discurso de ódio em alguém e especialmente na Branca do @emporiojardimrio que teve uma atitude digna em meio a isso tudo. Foi horrível o q eu e a Linda passamos mas o tempo todo não estivemos em risco real. Estávamos sim desamparadas mas não chegamos a ficar na rua nem nada, graças a força do grupo a ajuda chegou antes. Estamos, eu e a Branca, em contato para transformar essa experiência horrível em frutos positivos e mudança. Perdão e tolerância são as palavras de ordem! #sementeiras #ninguemsoltaamaedeninguem

A post shared by Linda lover (@fla_lopess) on

Em entrevista ao UOL, Flávia afirmou ter se sentido desamparada. “(Foi) uma situação muito desagradável, a gente não tinha acolhida em um momento bem horrível que estava o Rio de Janeiro, de um temporal”, disse.

No Instagram, o grupo Sementeira lançou uma campanha: “Ninguém solta a mãe de ninguém”. A corrente de solidariedade vai tentar alertar sobre situações que mães, pais e familiares sofrem com bebês e crianças em estabelecimentos comerciais.

Após as críticas que estabelecimento recebeu, as proprietárias do restaurante pediram desculpas. “Estamos muito tristes, pois minha equipe falhou – e portanto, eu e minhas sócias também falhamos em acolher uma cliente, mãe e sua bebê, durante a chuva que acometeu nossa cidade”, publicaram na página oficial do estabelecimento nas redes sociais.

“Eu estou em contato com as donas e o nosso grupo de Sementeiras para pensar em estratégias, para estabelecimentos terem mais empatia e solidariedade de mães com bebês, não só em dias de temporal, mas no dia a dia, porque a gente se sente invisível”, explicou ela .

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here