Mulher que rejeitou ‘desafio da maternidade’ tem perfil no Facebook bloqueado e defende: ‘Não é depressão’

0

Na última semana, um desafio levantado a mães nas redes sociais acabou gerando uma enorme polêmica. Em vez de, como na proposta, compartilhar fotos felizes da maternidade, a dona de casa Juliana Reis, de 25 anos, decidiu mostrar a sua experiência real, que descreveu como dolorosa e cansativa: “Quero deixar bem claro que amo meu filho, mas odeio ser mãe”, disse, num trecho. Rapidamente o post viralizou e, em pouco mais de um dia, teve quase 80 mil curtidas. Junto com ele, vieram milhares de comentários de apoio, mas principalmente de recusa à postura da mãe – alguns deles afirmando que a jovem estaria sofrendo de depressão pós-parto. Por volta das 5h desta quarta-feira, antes de finalmente ir dormir, uma surpresa: o perfil de Juliana foi denunciado para o Facebook e, em seguida, bloqueado.
20160217100812

Juliana comentou que a decisão de publicar o post teve o objetivo mostrar a realidade, já que, para ela, ser uma boa mãe não tem nada a ver com o ato de estar sorrindo o tempo todo. “Está tudo bem que seja doloroso”, diz ela, que pretendia apenas trocar ideias com as amigas, sem a pretensão de que seu texto se tornasse viral.
desafio3

— Eu sempre quis ser mãe e meu filho veio para trazer paz e harmonia para a minha vida. E ele continua me trazendo felicidade quando, depois do post, vejo outras pessoas se identificando comigo, sentindo as mesmas coisas. Fez tudo o que passo valer a pena — disse Juliana, que nega ter depressão pós-parto.

Sobre a repercussão do caso, Juliana diz estar absolutamente surpresa mas, sobretudo, decepcionada com a exclusão da rede social:

— Nunca ia imaginar, nem em sonho, que chegasse a esse ponto e fiquei extremamente chateada com o bloqueio do Facebook. Já denunciei muitas páginas que incitam ao ódio e nunca vi um bloqueio como o que sofri e, mesmo assim, aconteceu comigo em apenas um dia. Estou chateada por ter sido forçada a me calar — afirmou.

Para Juliana, que é mãe de primeira viagem, a experiência negativa não será impedimento para falar sobre real maternidade. Por meio de uma amiga, cujo perfil na rede social continua ativo, a mamãe publicou uma carta em que reforça seu ponto de vista. “Ainda bem que eu estou com muita estrutura pra encarar isso porque se eu sofresse de depressão pós-parto, como muita gente me diagnosticou, vocês só estariam me dando a arma pra me matar”, disse. Em seguida, completou: “A quem critica, porque gosta de criticar, ou porque não concorda comigo mesmo (talvez você tenha tido a maternidade dos sonhos): Meu amor por você! E peço pra que tenham mais compaixão com a dor do outro! As palavras machucam”, disse.

— As pessoas acham que saí do Facebook, então encontrei essa forma de me expressar. Eu não me arrependo do que escrevi e quero que as pessoas saibam disso — confirma a mãe.

 

deasafio1

desafio2

desafio4

Confira carta aberta publicada após bloqueio de sua conta no Facebook:

“O Vicente dá umas gargalhadas enquanto dorme. É mt lindo, vem uma emoção, uma vontade de gritar (mas ele tá dormindo, então tenho que surtar em silêncio). Mas a hora que eu fico feliz mesmo é quando ele faz essa expressão da foto. Essa é a cara de quando ele faz cocô. Ele olha pro nada, faz esse bico meio estranho e depois vem o barulhão de cocô saindo! E eu detesto trocar fralda! Mas amo tanto quando ele faz cocô porque ele fica bem. Nitidamente ele “se alivia”.

Mas a palavra ‘detesto’ é motivo de julgamentos e motivo de acharem que eu estou louca. Motivo pra terem pena do meu filho. O que me entristece é a crueldade das pessoas. Aos poucos comentários que eu consegui responder, eu consegui NÃO rebater o mesmo ódio que me foi transmitido. Ainda bem que eu estou com muita estrutura pra encarar isso porque se eu sofresse de depressão pós parto, como mt gente me diagnosticou, vocês só estariam me dando a arma pra me matar.

EU NÃO VOU ME CALAR! VOCÊS NÃO VÃO CALAR AS MÃES!

Uma amiga postou um texto lindo que eu quis compartilhar mas eu não tive tempo e nem a resposta se ela me autorizava. Até agora eu não sei se foi com intuito de me criticar ou de me apoiar, mas isso NÃO importa. No texto ela fala que tem uma diferença entre ser mãe e ter filho. Que ser mãe requer entrega, sacrifício, doação total e amor. Ter filho muita gente tem. E é a mais pura verdade. Quando eu decidi ter esse bebê, eu decidi ser mãe. Só que quando eu me tornei mãe, a Juliana de antes morreu e eu ainda estou de luto por essa morte. Ainda sinto falta de mim, do que eu era antes, de como as coisas eram mais fáceis.. Enfim, o fato de eu estar detestando essa fase não implica no meu amor pelo meu filho, ele é muito bem cuidado. E eu decidi ser mãe pq eu o amo tanto que estou disposta a fazer o que eu “detesto” pro que melhor é melhor pra ele.

Às mães que deram a cara a tapa junto comigo: Vocês são sensacionais! Muito amor por vocês!

À quem critica, porque gosta de criticar, ou porque não concorda comigo mesmo (talvez você tenha tido a maternidade dos sonhos): Meu amor por vc! E peço pra que tenham mais compaixão com a dor do outro! As palavras machucam.

Espero recuperar meu Facebook logo. Até lá, eu sigo acreditando na máxima do meu poeta preferido:

“As pessoas não são más, elas só estão perdidas. Ainda há tempo!” (Criolo)

Abraços

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here