Polícia investiga pelo menos 20 estupros em igreja evangélica no RJ

1

A polícia investiga pelo menos 20 estupros ocorridos dentro da Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias, do pastor Marcos Pereira, preso na noite da última terça-feira, pela acusação de abuso sexual de duas fiéis no Rio de Janeiro. Segundo o delegado Marcio Mendonça, titular da Delegacia Especial de Combate às Drogas (DCOD), há provas da ocorrência de seis estupros, e vários crimes semelhantes podem ter ocorrido, inclusive contra crianças e adolescentes. Os estupros aconteciam, principalmente, na sede da igreja, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Há também relatos de orgias e abusos sexuais tanto na igreja, quanto no apartamento apontado pela polícia como residência do pastor, situado na avenida Atlântica, em Copacabana, um dos endereços mais nobres do Rio. Segundo a investigação, o imóvel está avaliado em R$ 8 milhões.

pastormarcospereiraestuprodivO delegado ressaltou que Pereira tinha um grande poder de convencimento, e que muitas fiéis eram iludidas pelo discurso do pastor. Baseado nisso, ele se aproveitava sexualmente das pessoas, segundo a polícia. Em alguns momentos, no entanto, o pastor utilizava a violência para conseguir o que queria, apontou Mendonça. As investigações indicam que os crimes ocorriam desde 1998. Pereira dizia às fiéis que elas estavam possuídas pelo demônio, e precisavam fazer sexo para se “purificar”, apontam os depoimentos colhidos.

A notícia continua após esta Publicidade

“Ele lidava com pessoas muito pobres, que necessitavam de ajuda espiritual. Ele se aproveitava disso. Em princípio, pelo convencimento. Em último caso, ele usava a força”, declarou o delegado.

O pastor Marcos Pereira está sendo investigado ainda pelos crimes de homicídio, associação para o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Mendonça pontuou que há indícios de que Pereira recebia dinheiro da facção criminosa Comando Vermelho (CV) e comprava imóveis e veículos, além de abrir empresas. Ainda de acordo com o delegado, há relatos de que bandidos e armas eram escondidos na sede da igreja liderada pelo pastor.

“Ele é uma pessoa perigosa. As pessoas que pensavam em denunciá-lo tinham medo. Tudo indica que ele tinha uma relação bem estreita com o tráfico de drogas”, disse Mendonça, salientando que Pereira chegou a visitar, em duas ocasiões, o traficante Márcio Nepomuceno dos Santos, o Marcinho VP, ex-chefe do tráfico no Complexo do Alemão, dentro de um presídio federal.

A investigação também verifica a participação de Pereira em quatro assassinatos. Um deles seria de uma fiel que teria sofrido tentativa de violência sexual do pastor e decidiu apurar o que acontecia na igreja. Ela teria descoberto orgias dentro do templo e no apartamento de Pereira, nas quais haveria também relações homossexuais. Ela foi morta em 2006, e um sobrinho de Pereira foi condenado pelo crime.

A polícia tem relatos de uma jovem que foi abusada durante oito anos dentro da igreja. Segundo as investigações, ela era estuprada desde os 14 anos e forçada a participar das orgias. A ex-mulher de Pereira, Ana Madureira, também acusa o pastor de estupro.

As investigações começaram há pouco mais de um ano, após denúncias feitas pelo líder da ONG Afroreggae, José Junior, de que Pereira tinha ligações com o tráfico de drogas. Na época, Junior e Pereira travaram um intenso bate-boca pela mídia, com trocas de acusações.

Pereira ganhou notoriedade por evangelizar traficantes, mediar rebeliões em presídios e conseguir livrar pessoas condenadas à morte pelo tráfico dentro de comunidades. Segundo o delegado Marcio Mendonça, tudo isso não passava de encenação combinada com os bandidos. O objetivo era dar visibilidade ao pastor na mídia, e convencer o público de que criminosos eram regenerados por ele.

O pastor foi encaminhado para o Complexo Penitenciário de Bangui, onde ficará em cela comum. Ele teve prisão preventiva decretada pelo juízes Ricardo Fairclough e Ana Helena Mota Lima, da Vara Criminal de São João de Meriti. Ao deixar a delegacia de São João de Meriti, diversos fiéis se aglomeraram em frente ao distrito policial para apoiar Pereira.

1 COMENTÁRIO

  1. esse é um bandido tentando se esconder por traz da bíblia.igual a esse tem muitos mais, e o povo ainda segue e acredita na palavra de uns bamdidos como esses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here