Em Itaberaba, 9.253 famílias recebem mais de R$1.347.636,00 do Bolsa Família em maio

0

Com os valores atualizados do Bolsa Família após o aumento de 5,67%, o pagamento de maio que começou a ser pago na semana passada em todo o país, mais de 9.250 beneficiários devem receber um total de R$1.347.636,00 em Itaberaba, numa média de R$145,64 por beneficio.

O reajuste cobre o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado de julho de 2016 a março de 2018 (4,01%). A suplementação orçamentária para este ano será de R$ 684 milhões. A partir de julho de 2018, o Bolsa Família terá um reajuste de 5,67% no valor do benefício médio. Com a alteração, este valor passará de R$ 177,71 para uma quantia estimada de R$ 187,79.

Segundo o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, o aumento no Bolsa Família é resultado da gestão eficiente dos recursos públicos. Durante esses quase dois anos, o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) identificou e cancelou pagamentos irregulares em diversos programas. “Fizemos um verdadeiro saneamento nos programas vinculados à nossa pasta, com revisões nos benefícios do INSS, como o auxílio-doença, e no próprio Bolsa Família. As ações permitiram que mais pessoas entrassem no programa. Além disso, zeramos a fila de espera e, ainda, aumentamos o valor do benefício”.

A fila de espera do Bolsa Família está zerada há nove meses consecutivos. Isso significa que todas as pessoas interessadas em entrar no programa e que atenderam aos critérios de elegibilidade passaram a receber o benefício em menos tempo. “Antes, as pessoas ficavam mais de um ano esperando para receber o Bolsa. Agora, esse prazo não passa de 45 dias”, lembra o ministro. Atualmente, o programa transfere recursos a 13,7 milhões de famílias em todos os municípios do Brasil.

O governo, além de reajustar o valor do benefício, tem realizado outras ações que estimulam a autonomia das pessoas, como a geração de emprego e renda para o público do programa. O Plano Progredir, por exemplo, lançado em setembro de 2017, oferece qualificação profissional, microcrédito, apoio ao empreendedorismo e encaminhamento ao mercado de trabalho.

Bolsa Família – O programa de transferência de renda foi criado para contribuir com o combate à pobreza e à desigualdade social no Brasil. Ele atua em três eixos: complemento de renda, acesso a direitos – como educação, saúde e assistência social – e articulação com outras ações para garantir o desenvolvimento das famílias beneficiárias.

As famílias interessadas em entrar no programa devem se inscrever no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. O cadastramento pode ser feito nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) ou na gestão municipal do Bolsa Família e do Cadastro Único.

Neste mês, o valor repassado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) é de mais de R$ 2,4 bilhões, e o valor médio do benefício, para cada família, é de R$ 178,46.

Uma das beneficiárias é Francisca Eulália de Oliveira, moradora de Açailândia (MA). Desempregada e mãe de dois filhos, ela solicitou o benefício em março, e, logo no mês seguinte, passou a fazer parte do programa. O dinheiro, segundo ela, ajudou na alimentação das crianças. “Foi muito rápido e é uma ajuda que veio em boa hora, porque criança sempre precisa de alguma coisa e, às vezes, a gente não tem como dar, então ajuda muito”, disse.

Em maio, mais uma vez a fila foi zerada e 254.551 mil novas famílias foram incluídas no programa. Isso significa que todas as pessoas inscritas no Cadastro Único com perfil para participar do Bolsa Família, com dados atualizados há menos de 24 meses e sem divergências entre as informações cadastrais e outras bases de dados, estão sendo selecionadas e ingressando automaticamente.

Para o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, o papel do governo federal é mais do que complementar a renda dessas famílias, mas buscar também incentivar essas pessoas a saírem da pobreza. Um exemplo é o programa Futuro na Mão: dando um jeito na vida financeira, que oferece ferramentas e educação financeira aos beneficiários do Bolsa Família.

“O benefício é importante para o combate à pobreza e à desigualdade, mas, neste mês, lançamos o programa ‘Futuro na Mão’, que é mais uma ação para incentivar as famílias a conquistarem sua independência financeira e melhorarem a gestão do orçamento familiar. Com isso, queremos quebrar o ciclo da pobreza entre gerações e garantir o bem-estar dos milhões de brasileiros beneficiários do Bolsa Família”, destacou Beltrame.

O programa Futuro na Mão: dando um jeito na vida financeira foi desenvolvido pelo MDS em parceria com a Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF-Brasil), e financiado pelo Banco Mundial e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Até dezembro, 560 municípios serão convidados a aderir ao programa e levar as orientações às famílias.

Região UF  Famílias   Totais 
(R$) 
 Benefício médio 
DF             76.879            12.420.713,00         161,56
GO           307.810            46.108.433,00         149,80
MS           125.366            21.148.488,00         168,69
MT           158.094            25.312.985,00         160,11
CENTRO OESTE           668.149          104.990.619,00         157,14
AL           405.956            74.836.290,00         184,35
BA        1.838.613          328.027.030,00         178,41
CE        1.052.953          188.007.895,00         178,55
MA           984.351          202.400.411,00         205,62
PB           516.704            99.960.201,00         193,46
PE        1.159.122          202.595.020,00         174,78
PI           450.645            90.778.798,00         201,44
RN           348.386            61.433.173,00         176,34
SE           283.745            46.490.478,00         163,85
NORDESTE         7.040.475       1.294.529.296,00         183,87
AC             87.384            22.247.136,00         254,59
AM           397.682            87.509.586,00         220,05
AP             73.692            15.464.609,00         209,85
PA           943.410          183.189.056,00         194,18
RO             81.915            12.052.432,00         147,13
RR             45.434              9.116.447,00         200,65
TO           123.808            22.046.813,00         178,07
NORTE         1.753.325          351.626.079,00         200,55
ES           172.568            28.456.150,00         164,90
MG        1.060.186          179.738.881,00         169,54
RJ           829.359          143.201.110,00         172,66
SP        1.538.775          245.948.792,00         159,83
SUDESTE        3.600.888          597.344.933,00         165,89
PR           368.293            56.380.373,00         153,09
RS           370.370            59.707.166,00         161,21
SC           117.929            19.492.085,00         165,29
SUL            856.592          135.579.624,00         158,28
Total Geral      13.919.429       2.484.070.551,00         178,46

Pagamento – O pagamento do benefício segue um calendário escalonado. Para saber o dia em que poderá sacar, o beneficiário deve conferir o Número de Identificação Social (NIS) impresso no cartão do programa. Os que terminam com final 1 podem sacar no primeiro dia do pagamento. Os com final 2, no segundo dia e assim por diante. Os recursos ficam disponíveis para saque por um período de três meses. Para saber a data de pagamento de cada mês, basta acessar a página oficial do Bolsa Família no Facebook.

Saiba Mais
O Bolsa Família é voltado para famílias extremamente pobres (renda per capita mensal de até R$ 85) e pobres (renda per capita mensal entre R$ 85,01 e R$ 170). Os beneficiários recebem o dinheiro mensalmente e, em contrapartida, cumprem compromissos nas áreas de saúde e educação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here