Itaberaba e outras 48 cidades ainda não se adequaram à lei da Transparência

1

catsAcaba amanhã o prazo legal para que as 417 prefeituras baianas publiquem, na internet, tudo que gastam e que recebem, em tempo real, além de contratos e convênios. A Lei Complementar 131, de 2009, obriga a criação dos portais de transparência, para que a população saiba como está sendo usado o dinheiro público, mas na Bahia ela não pegou. Pela lei, os municípios com menos de 50 mil habitantes têm até amanhã para abrir as contas. Mas, desde 2011, as cidades com maior população já deveriam colocar no ar os sites de transparência. Na Bahia, das 49 prefeituras nesta situação, 30 possuem links para sites de transparência em suas páginas oficiais na internet, mas o serviço não existe ou não atende a lei. Nas outras 19, apesar das informações contábeis como as receitas e despesas estarem atualizadas, os sistemas foram feitos para não funcionar.

Para os municípios que descumprirem a lei, a punição é contra os cofres da prefeitura, que ficaria impedida de receber recursos do governo federal via convênios e de contrair empréstimos. No entanto, o órgão responsável pela fiscalização, o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) reconhece a dificuldade de fazer a lei ser cumprida.“Até hoje, a gente tem dificuldade. Você cobra a mesma tecnologia da informação para o município de São Paulo e para o carente do interior da Bahia. Por exemplo, tem que ter banda larga boa e uma série de outros itens”, avalia  o coordenador de Assistência aos Municípios do TCM, Antônio Dourado.

hj

Empresas faturam alto com sites feitos em série
Se entrarmos nos sites das prefeituras de Araci, Bonito, Central, Wagner, Brejões, Malhada, Iaçu, Jaguaquara, Itacaré e Guanambi, por exemplo, o leiaute é exatamente igual. Só mudam o brasão e o nome da cidade. O coordenador da ONG Contas Abertas, Gil Castelo Branco, explica que, após à aprovação da lei, surgiram empresas que faturaram alto com a transparência.

Elas desenvolvem um único sistema e vendem para centenas de prefeituras, sem sequer modificarem o desenho das páginas. Como a maioria das prefeituras de interior não possui equipes de informática, elas recorrem às contratações por dispensa de licitação para adequar-se à lei. “A partir do dia 28, 4.958 prefeituras terão que colocar contas na internet. Será o paraíso das empresas de informática, que oferecem portais genéricos, todos igualmente ruins, cobrando uma fortuna”, pontua Gil.

Ele cita como exemplos que deram certo sistemas de transparência desenvolvidos pelos governos estaduais de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Amapá, que foram disponibilizados gratuitamente para os municípios, com alto padrão de qualidade. “Ou o governo da Bahia faz o mesmo, ou as cidades vão cair na mão da indústria da informática, com grande ônus aos cofres e sem qualidade”, disse.

Em 2009, em razão da contratação de uma dessas empresas, a Associação Transparência Municipal (ATM), a então prefeita de São Francisco do Conde, Rilza Valentim, foi condenada pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) a pagar R$ 20 mil de multa por ter verificado irregularidades na contratação, por dispensa de licitação, no valor de R$ 300 mil para a implantação de um programa de transparência. Esta mesma empresa desenvolveu sistemas, por exemplo, para os municípios de Belmonte e Amélia Rodrigues, no valor de R$ 20 mil e R$ 42 mil, respectivamente. (Informações Rafael Rodrigues)

1 COMENTÁRIO

  1. link de acesso..
    http://itaberaba.ba.gov.br/
    vá em serviços para o cidadão, depois procure em mais serviços, la na letra P vai estar portal da Transparência, clicando nele irá ter um link, que irá redirecionar o usuário para o portal da transparência aonde ele terá acesso a tudo vc cita ai na reportagem..

    Primeiramente antes de vc’s organizadores de sites colocarem reportagem, primeiro procurem saber se é verdade..

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here