Antes a situação de emergência era por causa da seca, agora por causa da chuva no Nordeste

0

Municípios do sertão nordestino que até o final de 2015 sofriam com a seca e estavam em emergência por conta da prolongada estiagem foram atingidos por fortes chuvas nos últimos dias. Duas mortes foram registradas e milhares de famílias tiveram que deixar suas casas. Rodovias e pontes foram destruídas, e pelo menos dez cidades decretaram emergência na Bahia e no Piauí.

Na Bahia já são nove municípios do interior em situação de emergência pelas recentes chuvas. No Estado, a Embasa (Empresa Baiana de Saneamento) informou ao UOL que não existe mais município em colapso ou deficiência de abastecimento de água no semiárido.Prefeitura de Riachão do Jacuípe (BA) decretou estado de emergência, com quase 5.000 desabrigados

Em Ipupiara, uma criança de três anos morreu enquanto brincava dentro de casa na manhã da quinta-feira, dia 21. O telhado da parte da frente da casa desabou e atingiu a menina, que ficou soterrada. O município está em situação de emergência por conta da seca.

As chuvas também causaram estragos no município de Riachão do Jacuípe, que ficou isolado após o rio Boqueirão transbordar e derrubar parte da ponte que dá acesso à cidade, na BR-324. Muitas casas também foram alagadas, e 4.725 pessoas ficaram desabrigadas ou desalojadas. A prefeitura lançou campanha para pedir donativos. O município decretou emergência, e, na terça-feira (25), o governador do Estado Rui Costa (PT) visitou a cidade.

Em Barreiras, a prefeitura decretou emergência nesta quinta-feira (28) e cancelou as festas de carnaval. No município choveu este mês mais de 500 milímetros, o triplo da média para o histórico de janeiro.

Em Xique Xique, o início das aulas foi adiado, e a prefeitura também decretou emergência após a chuva desta madrugada alagar todo o centro da cidade.

Piauí também
Pelo menos sete municípios do Piauí registraram transtornos com as chuvas que se intensificaram esta semana no Estado. Uma pessoa morreu, e açudes e barragens romperam devido ao excesso de água.

No município de Julio Borges, região Sul, um homem de 24 anos morreu afogado na enchente ocorrida no distrito de Riacho Grande, na terça-feira (26). Uma ponte na PI-413, que liga Júlio Borges a Bahia, desabou dificultando o acesso ao município. O município estava sofrendo com a seca, mas devido às chuvas, a prefeitura decretou situação de emergência.

Em Dom Inocêncio, diversos açudes e barragens se romperam na zona rural no domingo (24), inundando a área central do município. Pelo menos 37 famílias ficaram desabrigadas. Segundo a prefeitura, os acessos foram danificados, e a cidade está ilhada. Nessa quarta-feira (27), o prefeito Luzivalter Santos (PSDB) disse que estão faltando combustível e alimentos nos supermercados. Doentes que precisam de atendimento em hospitais fora também estão impedidos de viajar.

Já os rios que passam pelos acessos de Queimada Nova, Santa Cruz e Wall Ferraz, todos também na região Sul, transbordaram, e as estradas estão intransitáveis.

Na rodovia PI-255, em Parnaguá, a chuva danificou o acesso ao município. Moradores tiveram de quebrar parte do asfalto para escoar a água e liberar o trânsito. Duas comunidades foram alagadas.

No sertão de Sergipe também houve estragos em cidades que sofrem com a estiagem. Em Nossa Senhora da Glória, ruas do centro comercial ficaram alagadas. Monte Alegre e em Porto da Folha, ruas e muros cederam com a força das águas. A rota do Sertão foi destruída nas proximidades da cidade de Monte Alegre teve o tráfego interditado. A Defesa Civil Estadual monitora o local.

No Maranhão, a enchente do rio Balsas já deixou 52 famílias fora de casa. Segundo o Corpo de Bombeiros, uma casa desabou nessa quarta-feira (27), e 14 imóveis estão interditados. A ponte de madeira, que é cartão-postal da cidade, está submersa.

Outro rio que corta a cidade, o rio Maravilha, também transbordou. A estação de captação de água do município foi desligada para não danificar os equipamentos, e o abastecimento foi suspenso temporariamente.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here