Bahiafarma obtém registro para produção e distribuição de teste rápido de febre chikungunya

0

Nesta segunda-feira (5), a Bahiafarma, laboratório público da Bahia, obteve, registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para produção e distribuição de teste sorológico rápido para detecção de febre chikungunya. Trata-se de um dispositivo ainda inexistente na rede pública de saúde do País e o primeiro do gênero a ser feito por um laboratório oficial no Brasil.

Já disponível para aquisição por qualquer ente público do País, o teste rápido desenvolvido pela Bahiafarma é realizado com uma pequena quantidade de sangue, soro ou plasma do paciente e é capaz de detectar a doença a partir dos primeiros dias de infecção, por meio da identificação da presença de anticorpos M (IgM) no organismo. O resultado sai em 20 minutos, com taxa de precisão de 95%, o que vai auxiliar no diagnóstico rápido – hoje, o prazo para confirmação dos casos suspeitos pode durar semanas.

Além disso, a adoção dos testes rápidos para detecção de febre chikungunya representará grande economia de recursos para o poder público e para os pacientes. Estima-se que tanto os exames laboratoriais feitos hoje pelo Sistema Único de Saúde (SUS) quanto os testes rápidos vendidos por clínicas particulares custem de cinco a sete vezes mais que os testes rápidos da Bahiafarma. “Temos capacidade de produzir o suficiente para abastecer toda a demanda do SUS pelo dispositivo”, garante o diretor-presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias.

De acordo com o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, esse registro fortalece ainda mais a consolidação da Bahiafarma no Complexo Industrial da Saúde.”É uma empresa estratégica no processo de atração e fixação de laboratórios e indústrias farmacêuticas a fim de criar um polo farmoquímico na Bahia nos próximos anos e, nesse sentido, uma das tarefas é criar uma unidade comercial com atuação agressiva e implantar uma gestão de produção eficiente de modo a sermos competitivos no mercado nacional”, afirmou. Em 2016, até 16 de agosto, a Bahia registrou 46.778 casos suspeitos de chikungunya. Dos 315 municípios que registraram casos da doença, Itabuna, Itaberaba, Jaguarari e Cansanção concentram 41,75% das notificações.

Este já é o segundo dispositivo do gênero, desenvolvido pelo laboratório público baiano, a ter o registro publicado pela Anvisa. Em maio, a Bahiafarma apresentou o primeiro kit diagnóstico para detecção de infecção por Zika vírus produzido no País.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here