Exposição em Andaraí mostra ‘Cenário da Memória Diamantina’

0

A Galeria de Arte e Memória, museu a céu aberto situado na Vila de Igatu, em Andaraí, na Chapada Diamantina, recebe nesta sexta-feira (22), às 19h, a exposição ‘Cenário da Memória Diamantina’, organizada pelo artista visual e pesquisador de patrimônio Marcos Zacariades. O projeto integra o edital ‘Agitação Cultural’, de Dinamização em Espaços Culturais da Bahia, lançado em 2015 pela Secretaria de Cultura do Estado (Secult), por meio da Superintendência de Promoção Cultural.

Publicidade

Com 40 fotos e ferramenta multimídia das ruínas garimpeiras da Vila de Igatu, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a mostra recebe visitantes até 28 de junho. Resultado das expedições realizadas pelo artista na localidade e arredores, o trabalho pretende resgatar e conservar as manifestações culturais da Vila. O propósito é gerar conhecimento e educação patrimonial aos moradores e visitantes.

O projeto inclui ainda um ciclo de palestras, de 18 a 21 de maio, durante a Semana Nacional de Museus, e a doação de um Inventário Fotográfico e Iconográfico, em arquivo digital, à Biblioteca Municipal Herberto Salles, em Andaraí, para uso público. Vão participar dos debates os professores da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Luiz Freire e Viga Gordilho, além do restaurador José Dirson Argolo.

Riqueza patrimonial

O trabalho partiu da necessidade de chamar a atenção para a riqueza patrimonial das ruínas de pedras remanescentes do ciclo do diamante ocorrido na Bahia, explica o curador, ao citar a grande quantidade de moradas garimpeiras e as extensões de aquedutos, que levavam água às zonas de garimpo, as barragens, as grunas [garimpos subterrâneos] e usinas.

Segundo Marcos Zacariades, todo o aparato dessa estrutura “durante os 100 anos de exploração extrativista na região da Chapada Diamantina estão sendo prospectados, fotografados e georreferenciados para criar o Inventário Fotográfico Patrimonial do acervo”. Mais informações referentes ao projeto podem ser conferidas no site do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac).

‘Agitação Cultural’

O edital ‘Agitação Cultural’, que contempla ações de vários segmentos culturais, oferece apoio com o teto de R$ 150 mil por proposta. A iniciativa faz parte das ações do Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA). Os projetos começaram a ser realizados em janeiro e seguem até julho próximo. Criado em 2005 para estimular as produções artístico-culturais baianas, o fundo é administrado pelas secretarias estaduais de Cultura (Secult) e da Fazenda (Sefaz-BA).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here