Janot foi avisado antes sobre divulgação de grampo de Lula

0

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foi informado sobre as interceptações telefônicas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva antes que fossem reveladas publicamente, na última quarta-feira (16), de acodo com a assessoria da PGR.

O aviso partiu de procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato que investigavam o petista ainda na manhã de quarta, quando Janot estava em viagem oficial na Suíça.

Segundo a Procuradoria Geral da República, ao pedirem sua opinião sobre se o sigilo dos áudios deveria ser retirado, Janot orientou que fosse seguido o “procedimento padrão” que vem sendo adotado, isto é, a revelação das escutas.

Ainda segundo a assessoria da PGR, os procuradores e o próprio Janot ainda não conheciam o conteúdo integral das conversas nem o diálogo mantido por Lula com a presidente Dilma Rousseff.

Foi apenas informado que poderia haver autoridades com “foro privilegiado”, como ministros e parlamentares, também gravados nas conversas com o ex-presidente.

Gravação ‘pode ter sido correta’
Nesta sexta-feira (18), durante entrevista em Paris, Rodrigo Janot afirmou que a gravação da conversa telefônica entre Lula e Dilma”pode ter sido correta”.

Ele explicou que, como o alvo da interceptação era o ex-presidente, que à época da gravação ainda não era ministro e não tinha foro privilegiado, a presidente não era o “objeto da escuta”.

“Pode ter sido correta, pode ter sido correta. Incorreto seria se a escuta tivesse sido determinada pelo juiz de primeiro grau, e não pelo Supremo Tribunal Federal, em linhas de telefone de uso da Presidência da República. Isso é incorreto. Só o Supremo pode fazê-lo”, disse Janot.

“Eu não sei se houve interceptação da Presidência da República. Uma coisa é você ter um alvo que não tem prerrogativa de foro e a decisão judicial determinando a escuta deste alvo. As pessoas que ligam para este alvo não são objeto de escuta. O objeto de escuta é o alvo. Se as pessoas ligam para este alvo, a escuta que está em curso vai captar essa gravação. É assim que funciona”, afirmou o procurador-geral.

Escuta
Durante a entrevista, Janot também explicou que uma interceptação telefônica tem validade até que a empresa de telefonia seja notificada sobre a decisão judicial que põe fim ao grampo.

Segundo um documento da Polícia Federal, o diálogo entre Dilma e Lula foi interceptado às 13h32 de quarta. No entanto, Sérgio Morohavia determinado às 11h12 o fim das interceptações dos terminais telefônicos ligados ao ex-presidente.

“Você tem uma decisão judicial que interrompe uma intercepção telefônica. Então eu determino que seja interrompida a interceptação. Essa comunicação judicial, tem que haver uma intimação à empresa telefônica para que ela cesse a interceptação. Até a empresa ser intimada, a interceptação telefônica tem validade. Daí pra frente, não”, afirmou Janot ao ser questionado sobre o horário da gravação da conversa entre Dilma e Lula.

“É isso que você tem que olhar, o horário correto. O fato do juiz determinar a suspensão, a empresa telefônica não vai adivinhar que houve essa suspensão”, explicou o procurador-geral.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here