Maioria vota pelo envio de apuração sobre Lula ao STF

0

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) avalizou nesta quinta-feira (31) a decisão da semana passada do ministro Teori Zavascki – relator dos processos da Lava Jato na Corte – de retirar do juiz federal Sérgio Moro as investigações sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O magistrado também havia determinado o sigilo sobre gravações do ex-presidente com diversas autoridades, incluindo a presidente Dilma Rousseff.

Com a decisão, as investigações sobre Lula saem da alçada da Justiça Federal do Paraná. As apurações tratavam, por exemplo, da suspeita de que construtoras envolvidas em corrupção na Petrobras prestaram favores ao ex-presidente na reforma de um sítio em Atibaia (SP) e de um tríplex em Guarujá (SP).

Até a última atualização desta reportagem, já haviam votado favoravelmente à decisão liminar (provisória) de Teori Zavascki os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Dias Toffoli e Marco Aurélio Mello.

Somente o ministro Luiz Fux votou a favor de separar, de imediato, as investigações, para trazer ao STF somente elementos relacionados a autoridades com o chamado foro privilegiado. Faltavam apenas os votos dos ministros Celso de Mello e Ricardo Lewandowski.

A decisão do Supremo não significa que Lula ganhou foro privilegiado. Ao determinar que Sérgio Moro mande as investigações sobre Lula para Brasília, o ministro Teori seguiu a jurisprudência do tribunal superior, já que durante a investigação do crime de uma

pessoa sem foro privilegiado surgiram conversas com autoridades com foro, como Dilma e o ministro Jacques Wagner.

Nada foi decidido sobre a posse do ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil. Se a nomeação do ex-presidente for validada, aí sim ele ganha foro privilegiado automaticamente.

Na decisão da última semana, Teori Zavascki atendeu a um pedido do governo, que apontou ilegalidade na divulgação, autorizada por Moro, de conversas telefônicas interceptadas por ordem judicial, entre Lula e a presidente da República e ministros.

Depois que o juiz federal do Paraná enviar a documentação sobre as investigações ao Supremo, o material será remetido à Procuradoria Geral da República, que vai analisar se houve crime de Dilma e de outras autoridades. Caberá ao STF, posteriormente, analisar o que ficará sob investigação da Corte e o que poderá ser reencaminhado para a primeira instância.

Na prática, como os áudios das escutas já foram divulgados, se o Supremo considerar que Moro agiu de modo indevido, o conteúdo poderá ser desconsiderado como prova.

link-zap
Loading...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here