Sem meta e sem Levy

0

O governo conseguiu a proeza de abrir mão de dois pilares essenciais para evitar um colapso da economia em 2016. A presidente Dilma escolheu desfazer o compromisso de promover um corte severo nos gastos públicos para produzir um saldo positivo nas contas no ano que vem. Assim, a presidente fez, automaticamente, uma outra escolha: o líder de sua política econômica é o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, e não seu ministro da Fazenda Joaquim Levy.

Quando foi escolhido por Dilma, Levy foi amado e odiado pelo mesmo motivo: ele tinha credibilidade junto aos investidores e um plano austero para reequilibrar as contas públicas que contava com todas as maldades disponíveis a um governante: cortar gastos, aumentar impostos, acabar com regalias e reduzir benefícios sociais. O ex-executivo do banco Bradesco também representava uma virada radical na condução da economia que havia provocado a crise – que no começo do ano já era feia e prometia ficar monstrenga.

Há meses Joaquim Levy vem contabilizando derrotas, ataques, descrenças, desafetos, ameaças e interferência. A manutenção da meta fiscal de 2016 parecia ser o último estandarte que o ministro toparia segurar no governo. Ele fez ameaças veladas e declaradas de que não aceitaria qualquer mudança – para pior – no compromisso de superávit primário para 2016. Nesta terça-feira mesmo (15), o ministro chamou de “inconveniente” e “um equívoco” reduzir o compromisso de fazer caixa para voltar a pagar os juros da dívida pública com corte de gastos e não com mais endividamento.

Pelo projeto que será avaliado no Congresso Nacional, a nova proposta cria uma banda de flutuação para o montante a ser economizado durante o ano pelo governo – que pode chegar a zero! Não é possível avaliar o tamanho do estrago que a derrota de Levy pode provocar na economia ou na confiança dos investidores. O grau de investimento já era e parece não fazer diferença na cabeça do ministro Nelson Barbosa – aliás, foi ele o mentor da Nova Matriz Econômica, projeto do primeiro mandato de Dilma que transformou o Estado brasileiro num Godzilla devorador de competitividade, previsibilidade, produtividade, credibilidade e crescimento.

Estamos terminando 2015 sem meta e sem Levy. Ainda não há confirmação sobre a saída ou permanência dele na pasta da Fazenda. Mas também nem importa mais. Ele já perdeu e não tem mais nenhum dos atributos que encantou quem o amou à primeira vista em janeiro. Se ele topar ficar, vai ser apenas um enfeite na mesinha de cabeceira da presidente Dilma – ela dormirá e acordará com a certeza de que não recebeu ordens de ninguém: nem do mercado, nem do patrono, nem da revista “The Economist”.

link-zap
Loading...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here