Governo quer abafar a Operação Lava Jato

0

Após a queda de braço com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, que resultou em sua demissão do comando da Advocacia-Geral da União, Fábio Medina Osório, não economizou palavras e resolveu “pôr a boca no trombone” em entrevista a revista Veja.

Na reportagem, o jurista gaúcho conta que sai do posto porque o governo não quer que as investigações da Operação Lava Jato avancem. Segundo ele, sua queda começou há cerca de três meses, quando solicitou às empreiteiras envolvidas no escândalo do petrolao que ressarcissem o Erário pelo dinheiro desviado da Petrobras. Depois disso, Medina pediu acesso aos inquéritos que citam aliados do governo para mover ações de improbidade administrativa contra eles. E aí o caldo entornou…

2d943f0d4eb63d32097fb670028a2be2

A Polícia Federal enviou-lhe uma lista com os nomes de catorze parlamentares e ex-parlamentares suspeitos de atuarem no esquema sendo 8 do PP (Arthur Lira, Benedito Lira, Dudu da Fonte, João Alberto Pizzolatti Junior, José Otávio Germano, Luiz Fernando Faria, Nelson Meurer e Roberto Teixeira), três do PT (Gleisi Hoffmann, Vander Loubet e Cândido Vacarezza) e três do PMDB (Renan Calheiros, presidente do Senado, Valdir Raupp e Aníbal Gomes), de acordo com a publicação.

Com a relação em mãos, Medina pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para conhecer o conteúdo dos inquéritos e isso teria causado um grande “desconforto” na base aliada. A partir daí, ele se viu alvo de ataques e intrigas que saíam do próprio palácio.

O jurista ainda afirmou em entrevista a revista Veja que o governo quer abafar a Lava Jato, pois teme que alguma ação atinja “interesses que talvez não devessem ser atingidos”.

link-zap
Loading...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here