Terceiro caso de vírus similar ao da Sars é confirmado no Reino Unido

0

Um terceiro paciente do Reino Unido contraiu um novo vírus semelhante ao da Sars, tornando-se o segundo caso britânico confirmado em uma semana e mostrando que a infecção mortal está sendo transmitida de pessoa para pessoa, disseram autoridades de saúde britânicas nesta quarta-feira (13).

O caso mais recente, que é um membro da família do outro paciente, eleva a 11 o número de infecções confirmadas no mundo com o novo vírus, conhecido como novo coronavírus ou NCoV.

Desse total, cinco já morreram. A maioria dos infectados havia viajado recentemente no Oriente Médio e três foram diagnosticados na Grã-Bretanha.

1_12

O NCoV foi identificado quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta internacional em setembro de 2012, afirmando que um vírus, até então desconhecido em humanos, infectara um homem do Catar, que recentemente havia estado na Arábia Saudita.

O vírus pertence à mesma família da Sars, ou síndrome respiratória aguda grave — um coronavírus que surgiu na China em 2002 e matou cerca de um décimo das 8.000 pessoas infectadas em todo o mundo. Os sintomas comuns a ambos os vírus incluem doença respiratória grave, febre, tosse e dificuldades para respirar.

A Agência de Proteção à Saúde da Grã-Bretanha (HPA) disse nesta quarta-feira que o último paciente, que é residente do país e não tem qualquer histórico de viagem recente, está recebendo tratamento intensivo em um hospital em Birmingham, centro da Inglaterra.

“A nova infecção pelo coronavírus confirmada em uma pessoa sem histórico de viagem ao Oriente Médio sugere que a transmissão pessoa-a-pessoa tenha ocorrido, e que ocorreu na Grã-Bretanha”, disse John Watson, chefe de doenças respiratórias do HPA.

Ele disse que o novo caso refere-se a um membro da família que teve contato próximo com outro caso britânico confirmado na segunda-feira e que pode ter estado em maior risco de infecção por causa de problemas de saúde subjacentes.

O coronavírus tipicamente se dissemina como outras infecções respiratórias como a gripe, viajando em gotículas pelo ar quando uma pessoa infectada tosse ou espirra.

No entanto, desde que o novo vírus foi identificado pela primeira vez em setembro, especialistas em saúde dizem que evidências de transmissão pessoa-a-pessoa do NCoV têm sido limitadas.

Watson disse que o fato de isso ter provavelmente ocorrido nos últimos dois casos na Grã-Bretanha não dava nenhuma razão para maior alarme.

“Se o novo coronavírus fosse mais infeccioso, nós poderíamos esperar ter visto um número maior de casos do que temos visto desde que o primeiro caso foi relatado há três meses.”

A OMS disse na segunda-feira que a confirmação de um novo caso britânico não altera a sua avaliação de risco, mas “indica que o vírus é persistente”.

O paciente britânico confirmado na segunda-feira havia viajado recentemente para a Arábia Saudita e Paquistão, e também está recebendo tratamento intensivo no hospital, disse o HPA.

Entre os 11 casos confirmados em laboratório até o momento, cinco estão na Arábia Saudita, com três mortes, dois estão na Jordânia, onde os dois morreram, três são na Grã-Bretanha, onde estão recebendo tratamento, e um foi na Alemanha, em um paciente de Catar que desde então teve alta do tratamento médico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here