Após polêmica na internet, vestido mais famoso de 2015 pode ser alvo de batalha judicial

0

O vestido que ficou famoso no começo de 2015 por causar confusão sobre a percepção de suas cores pode agora ser alvo de uma batalha judicial no Reino Unido por conta dos direitos autorais sobre a imagem que deu origem à polêmica.

A potencial disputa judicial deve se focar na propriedade intelectual da fotografia que viralizou em redes sociais e sites de notícias ao redor do mundo com a pergunta: você vê o vestido azul e preto ou branco e dourado?

Paul Jinks e Cecilia Bleasdale, o casal que comprou o polêmico vestido e tirou a foto, exige o crédito e ganhos pelas imagens que rodaram o mundo. Por este mesmo motivo, a foto original não está sendo usada nesta reportagem.

Segundo eles, a filha de Cecilia estava de casamento marcado e os dois saíram em busca de um vestido para a mãe da noiva. Ela bateu três fotos, de três vestidos diferentes, e enviou para a filha.

vestido

Para sua surpresa, a filha respondeu “Este é lindo, mamãe. O branco e dourado”, referindo-se ao vestido azul e preto.

No dia do casamento, ao usar o vestido, não restou dúvidas de que ele era, de fato, azul e preto. O que Cecilia não sabia é que sua filha tinha postado a foto recebida em seu perfil noFacebook, com a história engraçada, e que uma de suas amigas e cantora da banda que animaria o casamento, Caitlin McNeill, havia compartilhado a foto em seu Tumblr.

Frustração e processo judicial
Sem nem imaginar o alcance global que a foto teria ao enviá-la de seu telefone celular, ainda de dentro do provador da loja, Cecilia Bleasdale diz que agora, em retrospecto, sente-se frustrada pelo fato de que ela e o marido, que bateram a foto, não foram lembrados.

“Bem, nós fomos deixados completamente de fora da história”, diz o marido, Paul Jinks.

“Tudo aconteceu tão rápido, nós não tivemos controle”, acrescenta Cecilia.

O casal diz ter contratado um advogado para auxiliar num potencial processo judicial para requerer os direitos autorais da imagem.

“Nós víamos todas as empresas usando o azul e preto e branco e dourado para vender seus produtos e ninguém queria ficar de fora”, diz a mãe da noiva.

Para Paul, o assunto é mais objetivo. “Basicamente eles tomaram nossa propriedade e lucraram em cima dela sem nos dar o mínimo crédito, um agradecimento, nada”, indica.

Eles já participaram do programa de Ellen DeGeneres, nos Estados Unidos, mas deram poucas entrevistas no Reino Unido.

Consultado pela BBC, o site Buzzfeed, que primeiro divulgou as imagens, disse que um leitor enviou a foto e que a empresa “leva muito a sério os direitos de propriedade intelectual e que se houver qualquer assunto inadvertente ou erro, serão corrigidos prontamente”.

A ciência por trás da polêmica
De acordo com o site de tecnologia Wired.com, a chave para decifrar o enigma do vestido está na forma como os olhos e o cérebro evoluíram para ver cores na luz solar.

Como os seres humanos evoluíram para ver a luz do dia, seus cérebros começaram a levar em conta o fato de que a luz muda de cor. Os objetos têm um certo tom vermelho rosado de madrugada, mais azul-branco ao meio-dia, e voltam a ser mais avermelhadas no pôr do sol.

O cérebro tenta descontar o efeito da luz do sol (ou outra fonte de luz) para chegar a uma cor “verdadeira”.

Por isso, algumas pessoas veem azul no vestido mas seus cérebros ignoram isso, atribuindo a cor azulada à fonte de luz, em vez de ao próprio vestido. Elas veem branco e dourado.

Os cérebros dos outros atribuem o azul que eles veem ao próprio vestido.

Este fenômeno existe há milhões de anos, mas há algo especial nesta foto do vestido que tornou as diferenças na forma como vemos a cor mais clara do que nunca.

Viral
Além da potencial briga judicial que deve ter início na Grã-Bretanha, o caso do vestido mostrou no ano passado a força que um assunto pode ganhar mundialmente ao se tornar viral na internet.

A matéria do site Buzzfeed, responsável por tornar o assunto polêmico no fim de fevereiro de 2015, recebeu mais de 39 milhões de acessos, foi compartilhada mais de 20 milhões de vezes e fez com que o site batesse o recorde de visitantes simultâneos: 670 mil pessoas acessaram a página ao mesmo tempo.

Logo depois o assunto também ganhou as páginas do jornal norte-americano “The Washington Post”, da revista “Wired” e de vários blogs de moda, e o efeito dominó se seguiu pela internet, programas de TV e conversas de amigos ao redor do mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here